Inadimplência: veja 10 boas formas de evitar o problema

Veja um guia prático de como evitar que a inadimplência faça parte do dia a dia da sua empresa. Acesse agora para conferir.

12/07/2019 às 9:00

Neste artigo, você tem acesso a um guia prático com dicas sobre como evitar a inadimplência dos clientes de um jeito simples e inteligente. Afinal, se uma grande parte deles ficar em débito com a empresa, pode impactar diretamente a saúde financeira do seu negócio.

De nada adianta fazer muitas vendas se há um índice alto de inadimplência. Isso porque a empresa vende, tem gastos naquele momento, mas não consegue obter o retorno desejado dentro do prazo estipulado. Ou seja, é prejuízo na certa! Caso não seja contornado imediatamente, esse tipo de problema pode se transformar em algo muito maior.

Inadimplência: mesa com computador, caderno, bloco e um gráfico desenhado no papel.
Algumas atitudes são essenciais para evitar a temida inadimplência de clientes.

Além de impactar diretamente os lucros, a inadimplência ainda pode complicar o pagamento de fornecedores, a contratação de novos funcionários e os gastos com infraestrutura. Em poucas palavras: se o dinheiro não entra, muitas contas e compromissos correm o risco de serem afetados.

Daí a importância de apostar em uma estratégia contínua para evitar a temida inadimplência. Trata-se de soluções simples que podem ser colocadas em prática agora mesmo. E nós te mostramos a seguir o que fazer para lidar — e também para evitar — esse tipo de problema!

10 – Tenha paciência

Não perca a calma. Isso porque tratar mal o cliente pode gerar ainda mais problemas, já que  se ele ficar com raiva, as chances de não querer atender um telefonema seu se triplicam. Mostre-se paciente e deixe claro que você confia no seu cliente. Também procure entender os motivos dos atrasos.

Muitas vezes, isso pode ocorrer por problemas graves na família, como doenças. Dessa forma, estar aberto a negociar e a conversar faz toda a diferença para evitar problemas maiores.

Inadimplência: mesa de trabalho com pessoa digitando no celular e analisando gráficos.
Ter paciência é essencial para conseguir o jogo de cintura ideal para negociar.

Assim, ele ficará mais à vontade para tratar de questões como negociação de prazos. Além disso, você criará uma relação de parceria e, dessa forma, diminuirá as chances de o cliente sumir de vez sem acertar as dívidas.

9 – Conheça o seu cliente

É fundamental que você conheça o seu público. Portanto, faça pesquisas sobre os seus hábitos de compra. Nesse processo, inclusive, é importante identificar quais são os consumidores que estão sempre em dia com a sua empresa.

Depois de detectar esses nomes, a dica mais importante é valorizá-los. Isso mesmo: ofereça descontos, promoções ou brindes, por exemplo. Dessa forma, você cria uma relação mais próxima com o cliente (o que contribui positivamente para a diminuição da inadimplência).

8 – Métodos de pagamento

Os métodos de pagamento fazem toda a diferença para a redução dos índices de inadimplência. Sabemos que é importante oferecer diversas opções para os clientes. No entanto, você pode estimular que eles optem pelos dois métodos mais seguros que contribuem para a diminuição dos calotes: o pagamento à vista e por cartão de crédito.

Com pagamento à vista, o valor total cai na hora diretamente na conta da empresa. Já com a segunda opção, o valor será pago mesmo se o cliente não honrar sua dívida — a companhia de cartão de crédito se responsabiliza pela quitação do valor.

Calculadora sobre a mesa, ao lado de moedas empilhadas.
Opte por métodos de pagamento seguros.

Para estimular que os clientes usem esses dois métodos, você pode oferecer descontos, fazer promoções ou disponibilizar algum tipo de vantagem, como o frete grátis. Assim, fica mais interessante para as duas partes.

7 – Consulte as pendências financeiras

Para vendas maiores ou com muitas parcelas, uma boa maneira de evitar a inadimplência é verificar a situação financeira do cliente junto a órgãos como o SPC e o Serasa.

Pesquisas simples, apenas com o CPF do cliente e feitas pelos sites dessas associações, podem detectar históricos de inadimplência. Assim, você pode optar por não dar continuidade à venda ou então fazer um acompanhamento mais próximo do processo.

6 – Trabalhe integrado

Não há ninguém que conheça melhor o cliente do que a equipe de vendas. Geralmente, esses profissionais sabem todos os hábitos de compra e até mesmo a reputação deles no mercado. Por isso, é importante que esses colaboradores trabalhem de maneira integrada com o setor financeiro.

Trabalhar em equipe é essencial para obter bons resultados.

Assim, um pode abastecer o outro com informações relevantes e, juntos, ainda conseguem construir uma forma de abordagem mais efetiva e menos invasiva.

5 – Ofereça opções com parcimônia

Antes de oferecer mil e uma possibilidades de pagamento ao cliente, vale conhecê-lo melhor. Afinal, você pode ter prejuízo se possibilitar a quitação em muitas vezes, por exemplo. Por isso, sobretudo para clientes novos, a dica é observar.

Veja como ele se comporta, se atrasa as parcelas e se está disposto a negociar. Caso os hábitos sejam positivos, você pode ir abrindo o leque de opções aos poucos. Mas não faça isso logo de cara: é importante observar o comportamento em diferentes experiências de compra.

4 – Documente tudo

Faça um contrato com os seus clientes, no caso de serviços e produtos mais caros. É importante documentar todas as etapas para não haver problemas. Aliás, trata-se de uma maneira bastante eficiente de especificar direitos e deveres de clientes, parceiros e da empresa também.

Assim, caso algum problema aconteça no meio do caminho, você terá como comprovar e solicitar o pagamento a qualquer momento.

3 – Evite métodos de pagamento arriscados

Sabe aquela história do barato que pode sair caro? Pois então: ela faz todo sentido quando o assunto é inadimplência. Já sabemos que notas promissórias, boletos bancários e até mesmo cheques pré-datados apresentam taxas bem baixas. No entanto, o prejuízo pode ser grande.

Mão com um cartão de crédito para pagar um café.
O cartão de crédito é uma das opções mais seguras.

Isso porque não há muitas garantias de que você irá receber as quantias acertadas. Portanto, muita atenção: risco altíssimo de inadimplência.

2 – Emita sempre nota fiscal

Sonegação é crime — e por isso você deve emitir a nota fiscal de todos os produtos ou serviços comercializados. Além disso, a nota ainda é um documento que atesta a compra e a venda. Ou seja, é mais uma segurança para você.

Veja como transformar dados em insights!

Portanto, não importa o valor ou o tipo de produto: é sempre importante emitir para ficar tudo dentro da lei.

1 – Faça o controle da inadimplência

Você só conseguirá perceber que algum cliente está devendo se fizer um controle minucioso das suas finanças. Caso contrário, terá um prejuízo daqueles e nem se dará conta do motivo.

Por isso, é essencial realizar esse tipo de gestão. Considere montar uma equipe de cobrança caso a demanda seja grande. Assim, será possível acompanhar os prazos e os vencimentos bem de perto e fazer a cobrança assim que for preciso.

Cofre com formato de porco, com moedas ao redor.
Fazer um controle financeiro minucioso é essencial para detectar quem está inadimplente e como corrigir esse problema.

E aí, o que achou das dicas? É importante ter em mente que a inadimplência não é algo que se elimina de um dia para outro. É um processo que envolve diferentes cuidados e atitudes especiais. Muitas delas são simples, mas podem fazer toda a diferença na saúde financeira da empresa.

Aliás, falamos bastante sobre planejamento nesta matéria sobre gestão financeira. Inclusive, aproveite para ler também uma reportagem que fizemos com dicas para te ajudar a manter as contas em dia. Assim, você consegue organizar a gestão de um modo bastante eficiente. Então, continue conosco por aqui para ter acesso a mais conteúdos que vão otimizar o dia a dia do seu negócio!

Gostou da notícia?

campo obrigátório

Cadastro efetuado com sucesso!

Em breve você receberá os melhores conteúdos para ajudar a gerenciar, expandir ou inovar o seu negócio