Incentive seu colaborador de TI a ser um cientista de dados

Saiba como estimular um colaborador da sua equipe de TI a buscar formações específicas para ser um cientista de dados!

27/02/2019 às 15:10

Inteligência Artificial, Internet das Coisas, Machine Learning e muitos outros temas que têm dominado o universo empresarial exigem um profissional específico para liderar e desenvolver projetos: um cientista de dados. No entanto, ainda há poucos perfis como esse no mercado.

Com a crescente constante dessas tecnologias, tem se tornado cada vez maior também a demanda por cientistas de dados. Com a profissão em alta, ela tem sido considerada uma das melhores carreiras para se seguir. Para se ter uma ideia, a plataforma de empregos Glassdoor apresentou recentemente o ranking The 50 Best Jobs in America. E o cargo “cientista de dados” apareceu em primeiro lugar. Este é o quarto ano consecutivo que fica no topo da lista. O salário médio é bastante animador: 108 mil dólares ao ano.

Cientista de dados é uma profissão ainda com poucos perfis.

Profissão é eleita a melhor pelo quarto ano consecutivo.

Os motivos da primeira colocação, segundo a Glassdoor são salários competitivos, boa oferta de empregos e alta satisfação de quem já atua na área. Inclusive, uma das justificativas para a grande quantidade de vagas é que todas as empresas podem (e devem) ter um cientista de dados. Ou seja, essa necessidade não fica restrita às que atuam exclusivamente com tecnologia.

Mas afinal, o que faz um cientista de dados?

Esse profissional é responsável por analisar dados sobre a empresa e transformá-los em insights capazes de fundamentar a tomada de decisão. Ou seja, o cientista irá trabalhar com software que detectam informações importantes sobre o perfil de clientes e os seus hábitos de compra, entre outras tantas características. Então, com essas informações em mãos, fará uma análise detalhada. Em seguida, apresentará o resultado para os executivos da companhia.

Um exemplo prático: as vendas de um e-commerce de sapatos caem consideravelmente nos meses de verão, mesmo havendo modelos específicos para a estação. Aí, entra o cientista de dados. Ele cruza dados dos consumidores e descobre que há muitas reclamações sobre o solado dos calçados.

Nos canais de atendimento, muitas pessoas disseram ter escorregado nos dias de chuva, tão comuns na estação mais quente do ano. Dessa forma, os cientistas fazem uma análise e, com base nela, propõem para o executivo responsável trocar o material dos solados.

Incentive seu colaborador de TI a ser um cientista de dados.

A partir do cruzamento de dados, profissional avalia o que pode ser melhorado.

Nos próximos dias, já com a troca feita e com a nova produção, você faz uma campanha dando destaque para o fato dos modelos serem antiderrapantes. Assim, consegue mostrar para os insatisfeitos que o problema deles foi resolvido e ainda incentiva novas compras.

E é justamente por embasar decisões tão importantes que esse profissional é bastante disputado no mercado. Mas se não há muita oferta de profissionais, como garantir que um desses trabalhe na sua empresa? Te contamos a seguir.

Da TI para a ciência

Os profissionais de Tecnologia de Informação (TI) têm um excelente conhecimento desse universo. Por isso, são os que estão mais próximos da Ciência de Dados. E é aqui que está a dica. Na sua equipe de TI pode haver um cientista em potencial. Nesse caso, cabe ao gestor identificar essa habilidade e estimular tal desenvolvimento.

O passo seguinte (depois de detectar quem tem “jeito” para o papel) é traçar uma estratégia para ele. Pense bem se você terá verba disponível para investir nesse profissional. Ou seja, se poderá pagar um curso na área. Há desde opções mais em conta, como plataformas online especializadas, a programas de mestrado fora do país.

Incentive seu colaborador de TI a ser um cientista de dados.

Incentivar os profissionais de TI é um bom caminho para ter um cientista de dados dentro da sua empresa.

Depois de definir questões financeiras e também os cursos que irá propor (veja uma lista mais à frente), chegou a hora de conversar com o colaborador. Afinal, é importante que ele também tenha interesse em se aprofundar no assunto. Nesse momento, seja bem claro sobre a área, apresente as possibilidades de crescimento, quais são as necessidades do mercado e as projeções para o futuro. O profissional em questão precisa saber todas as possibilidades que envolvem o cargo.

Aprender é preciso

Aliás, seu colaborador também precisa saber que é necessário estudar para se tornar um cientista. E, inclusive, deve estar disponível e apto para isso. Depois, apresente as possibilidades de cursos que existem atualmente. Há algumas formações básicas para quem deseja atuar na área:

Fundamentos básicos de Data Science: não é necessário ter experiência para ingressar. Aqui, o aluno irá aprender os conceitos básicos de programação, estruturas e análise de dados.

Introdução à Ciência de Dados: em seguida, essa formação dará uma visão mais prática das ferramentas que um cientista de dados costuma utilizar para detectar e interpretar os dados. É fundamental ter experiência em estatística e também em programação em Python, uma das linguagens de programação mais usadas no setor.

Incentive seu colaborador de TI a ser um cientista de dados.

Há diferentes cursos na área, que garantem os conceitos necessários para a profissão.

Introdução ao aprendizado das máquinas: esse tipo de curso ensina o profissional a usar toda a capacidade das máquinas para extrair os dados que precisa para a empresa. Assim, será possível ter as informações que deseja para as análises.

Estatística descritiva: saber estatística é importante para “ler” os números que foram apresentados pelas máquinas. Com esse conhecimento, o cientista de dados conseguirá interpretar melhor os gráficos.

Analista de dados: é uma das etapas mais complexas. Isso porque o tipo de formação mostra todas as maneiras de reunir as informações que precisam ser analisadas. O cientista, então, aprende a combinar dados, usar algoritmos de segmentação e muito mais.

Escolas especializadas

Diferentes escolas possuem formações bastante específicas em Data Science. Há opções online, presenciais e também programas fora do país. Veja a seleção que fizemos:

Udacity

A plataforma de cursos online conta com diversos programas voltados para a área. Há desde as formações mais básicas, que trazem os fundamentos necessários para compreender o setor. E até informações bem detalhadas sobre software e análises. Aliás, o mais interessante daqui é o valor das aulas, com opções bem em conta.

Udemy

A Udemy é outra plataforma com cursos bastante interessantes – e que cabem no bolso. Inclusive, disponibiliza formações que abordam todas as etapas de estudo que mencionamos no tópico “aprender é preciso” deste texto. Por isso, basta navegar pela página para encontrar as mais adequadas para sugerir aos profissionais da sua equipe. Há cursos em português e em inglês, para quem se sente confortável em relação ao idioma.

Incentive seu colaborador de TI a ser um cientista de dados

Há diferentes tipos de formação, sobretudo para quem deseja estudar online.

Impacta

Trata-se de uma referência na área. Localizada em São Paulo (SP), a Faculdade conta com uma pós-graduação bastante procurada por quem está na área de TI e deseja seguir para a ciência de dados. O curso chama-se Big Data e Business Analytics – é presencial e tem duração de 18 meses. É uma formação mais completa, que exige algum conhecimento na área. No entanto, não precisa ser especialista.

Carnegie Mellon University

O mestrado em Computação e Ciência de Dados é um dos melhores do mundo na área. Com duração de 18 meses, o curso acontece na Pensilvânia, nos Estados Unidos, e é indicado para quem tem uma situação financeira mais avançada. Durante a formação, o aluno faz uma verdadeira imersão em temas como computação em nuvem, Machine Learning, estatística, engenharia de software e coleta de dados, entre outros.

E aí, o que achou da ideia de incentivar os profissionais do seu time de TI a atuarem como cientistas de dados? Com certeza é uma boa opção para os dois lados: colaborador e você, empresário, que terá profissionais dedicados à análise dos dados. Falando nisso, descubra neste texto o que é Machine Learning e como essa técnica pode ajudar a garantir mais segurança à sua empresa.

Além disso, veja também qual é a importância da gestão de TI para uma pequena empresa. No mais, navegue à vontade pelo blog para ver como a tecnologia é capaz de transformar o dia a dia de trabalho! Obrigada pela companhia!

Gostou da notícia?

campo obrigátório

Cadastro efetuado com sucesso!

Em breve você receberá os melhores conteúdos para ajudar a gerenciar, expandir ou inovar o seu negócio